paixão da educação

a história de um lento regresso à escola, contada pelo 'próprio'

sábado, novembro 13, 2004

AlmadaInforma esclarece dúvidas e perplexidades sobre opções do traçado do MST

"Entre Corroios e Laranjeiro haverá uma ciclovia adjacente à plataforma do Metro."




Durante meses utilizei a bicicleta nas minhas deslocações entre a casa e a escola. Apesar das dificuldades de circulação, do tráfego intenso e da ausência completa de ciclovias nos meus percursos, a opção por uma alternativa de duas rodas com pedais... pareceu-me interessante e viável. Depois as obras no espaço canal para a circulação do Metropolitano de Superfície vieram desregular tudo. A estrada nacional 10 tornou-se um percurso a evitar. Um ano mais tarde a obra continua – não sem alguns acidentes de percurso e derrapagens no tempo de execução dos trabalhos – e só muito lentamente se começa a vislumbrar alguma coisa do que será, lá para o final de 2005, a rede do MST (Metropolitano Sul do Tejo).

De acordo com os documentos publicados no sítio da Câmara Municipal de Almada os principais objectivos do MST são três: a articulação com as redes pesadas de transportes colectivos, a articulação com a rede de transporte individual e a captação de utentes nas zonas mais densamente povoadas.

Para esclarecer algumas dúvidas e perplexidades acerca do traçado do metropolitano e da sua compatibilidade com outros meios de transporte individual – nomeadamente a bicicleta – escrevi um breve questionário que enviei por correio electrónico para o Grupo de Missão e para o boletim AlmadaInforma, depois de ter lido um editorial do vereador António Matos. Recebi alguns dias depois a resposta, sem referência de autoria, proveniente daquela publicação autárquica. Aqui ficam as respostas, na íntegra. E o meu agradecimento aos serviços da Câmara Municipal de Almada por terem esclarecido um munícipe perplexo.


***


[paixão da educação] A linha de passagem do MST pode ser utilizada, nalguma circunstância, por outros veículos? Quais e em que circunstâncias?
[AlmadaInforma] Com base na experiência recolhida em projectos de metros de superfície em meio urbano noutras cidades europeias, conclui-se que a única forma de um metro ter uma fluidez e velocidade de forma a atrair utentes do Transporte Individual, é a sua circulação em Sítio Próprio. Tal significa que a plataforma do Metro em Almada, e a exemplo de outros metros modernos, é afecta à exclusiva circulação do Metro. Excepção será naturalmente nos pontos de atravessamento perpendicular em que a rede viária actual cruza a plataforma. Nesta situação haverá semaforização e o metro terá prioridade absoluta em relação ao tráfego viário. Em situações de emergência e muito esporádicas, se houver necessidade a circulação do metro será temporariamente interrompida e a plataforma poderá ser usada por veículos de emergência.



[CLIQUE NOS DESTAQUES para contextualizar as citações]

DESTAQUES:

"A única forma de um metro ter uma fluidez e velocidade de forma a atrair utentes do Transporte Individual, é a sua circulação em Sítio Próprio."

"O metro terá prioridade absoluta em relação ao tráfego viário."

"Entre o terminal de Corroios e o centro do Laranjeiro, haverá no Espaço Canal a requalificar uma ciclovia adjacente à plataforma do Metro."

"A Câmara Municipal de Almada defende que seja permitido o transporte de bicicletas no futuro metro."

"O futuro arruamento urbano entre Corroios e a Cova da Piedade foi desenhado de forma a baixar as velocidades e fazer os atravessamentos pedonais mais confortáveis."