paixão da educação

a história de um lento regresso à escola, contada pelo 'próprio'

sexta-feira, outubro 08, 2004

Imprensa na escola (o bom exemplo francês)


O Diário de Notícias, na edição de ontem, dá conta de um programa francês para a promoção da leitura de jornais diários entre os estudantes do secundário. Uma das medidas mais inovadoras consiste em oferecer, aos jovens que atinjam os 18 anos, uma assinatura de um jornal diário de informação generalista, à sua escolha, por um período de dois meses. O relatório, elaborado pelo conselheiro de Estado Bernard Spitz e entregue ontem ao Ministro da Cultura, prevê igualmente a "capilarização" da rede de distribuição da imprensa a ponto de chegar até à escola, através de pontos de venda exclusivos para alunos, onde os jornais estariam acessíveis a preço reduzido.


Para ler o relatório apresentado, com a discriminação das medidas, clicar em Comunique de Press.

4 Comments:

  • At 6:22 da manhã, Blogger José Rabaça Gaspar said…

    O Gustavo é Mestre em aproveitar as oportunidades que aparecem. Basta de "choradeira" e vamos a "coisas práticas e concretas... Não nos podemos comparar com a França, mas estamos na UE. Então vamos para a frente e ponhamos o pessoal a ler e a fazer "jornais". É talvez importante "LER" a oportunidade da capa do DN. Por este andar, se o nosso blogue começar a ser lido e discutido, qualquer dia temos aí um "ministro" qualquer a mandar-nos CALAR, mesmo que depois venham dizer que não mandaram NADA CALAR... Mais um recado: a Fernanda diz que contactou ou tentou contactar e esperava uma resposta. A do Manel Cruz segue dentro de momentos.

     
  • At 7:24 da tarde, Blogger José Gustavo Teixeira said…

    Ora bem, Mestre Rabaça: o bom da blogosfera é que não há editores nem pressões económicas... porque é tudo de graça. Ou seja, ninguém dá um tostão por isto. Ainda bem.
    Quanto a ler jornais, sabe como eu me tenho batido por isso. Uma das maneiras é envolver a escola na produção de um jornal em papel, à antiga; a outra é levar a leitura de jornais, devidamente enquadrada, claro, para a sala de aula, sem esquecer os outros media; dar a devida atenção à chamada educação para os media, com o auxílio, por exemplo mas não exclusivamente, do projecto Público na Escola.
    Há pequenos gestos que fazem muito. Quando "dava" aulas levava frequentemente o jornal para a sala, chegado da rua, meio esbaforido. Colocava-o, dobrado sobre a secretária. Raramente não tinha um pedido ou dois para ver a primeira página, por parte dos alunos. Por vezes, enquanto começava, usava a manchete como mote para a aula. Tenho a certeza de que estes pequenos gestos (que eu já não fazia inconsciente da sua importância mas, precisamente, julgando que eram importantes) acabam por deixar alguma marca.
    Depois se os jornais baixassem de preço também ajudava. Mas isso não depende de nós.

     
  • At 3:22 da manhã, Blogger José Rabaça Gaspar said…

    Pequenos gestos que valem milhões...
    Possivelmente já ultrapassado pelos POSTS seguintes, quero deixar aqui mais uns comentários ao comentário do Gustavo:
    - o professor distraído e apressado deixa o jornal em cima da mesa e os alunos, mesmo sem licença, vão espreitar... (Estão a ver o Gustavo distraído e apressado! e outros...? como ele...)
    - quando eu era "pequenino" os do sindicato da minha escola, mesmo sem verbas, logo de manhã, tinham dois ou três jornais diários, na sala de professores, que qualquer um podia ler e levar para as aulas...
    - qualquer café que se preze tem um ou dois jornais para os clientes lerem no intervalo de uma bica e de uma conversa...
    - o meu pai, nos anos quarenta, que não tinha dinheiro para vícios, pois éramos oito, e era a II Guerra Mundial, com os racionamentos... além de outros vícios, que não dispensava como xx bicas e o cigarrito... além de ler o jornal no café, levava um jornal para casa e ensinou-me a recortar e arquivar "coisas" que tivessem interesse...
    Portanto, nem sequer interessa discutir o preço dos jornais que têm de sobreviver nesta selva... há um sem número de expedientes...

     
  • At 12:15 da tarde, Blogger José Gustavo Teixeira said…

    Muito frequentemente a imaginação e a criatividade são o melhor capital...

     

Enviar um comentário

<< Home